O crescimento da geração intermitente, a evolução para sistemas elétricos descentralizados e a difusão dos Recursos Energéticos Distribuídos (RED) têm desafiado a operação do sistema elétrico e suscitado mudanças estruturais no segmento de distribuição. Esse artigo discute a criação dos mercados locais de flexibilidade, uma alternativa que pode viabilizar o uso da flexibilidade dos RED para o gerenciamento do sistema de distribuição, permitindo a contratação de serviços de flexibilidade pelas distribuidoras a partir de recursos descentralizados. Destaca-se, contudo, que o desenvolvimento dos mercados locais de flexibilidade ainda está em fase de experimentação, com iniciativas piloto concentradas na Europa e na Austrália. As plataformas digitais – em casos mais inovadores, com uso de blockchain – têm emergido como principal solução tecnológica para estes mercados. Essas plataformas fornecem a infraestrutura digital para combinar compradores e vendedores de serviços de flexibilidade, permitindo a sinalização das necessidades dos operadores da rede, fornecendo visibilidade adequada dos RED, bem como oportunidade de atender aos critérios de qualificação e contratação competitiva dos recursos. Ao longo do artigo são discutidos elementos-chave para a estruturação dos mercados locais de flexibilidade, sendo a regulação um aspecto central.  

CanalEnergia – Lorrane Câmara, Caroline Chantre, Cristina Rosa e Kalyne Brito (Pesquisadoras do GESEL)

Link de acesso:

https://www.canalenergia.com.br/artigos/53224295/mercados-locais-de-flexibilidade-e-o-novo-papel-da-distribuidora-em-um-futuro-descentralizado

 

Artigos relacionados:

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/desbloqueando-o-potencial-dos-recursos-energeticos-distribuidos/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/medicao-inteligente/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/experiencia-internacional-com-tarifas-dinamicas-de-eletricidade/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/obstaculos-a-resposta-da-demanda-por-que-as-empresas-industriais-nao-adaptam-seu-consumo-de-energia-a-geracao-de-energia-volatil/