A crescente participação das energias renováveis e dos recursos energéticos distribuídos tem um potencial disruptivo nos sistemas elétricos, alterando o papel do consumidor de um simples “tomador de preço” passivo para um agente ativo e responsivo à formação de preços. Neste sentido, tem-se observado internacionalmente que mercados maduros têm evoluído no sentido de novos desenhos de tarifas que objetivam habilitar a flexibilidade da demanda de energia através de tarifas que alinhem custos e preços da energia. Este Informe Técnico avalia as experiências internacionais de utilização de tarifas dinâmicas de modo a contribuir com importantes reflexões para o processo de modernização do setor elétrico brasileiro. Nesse contexto, ele explicita os diferentes desenhos de tarifas dinâmicas e programas de resposta da demanda por preços e discute resultados de um estudo que avaliou as experiências em tarifas dinâmicas em seis países. Destaca-se que pesquisas de intenção mostram taxas de adesão hipotéticas de até 43% para modelos opt-in (onde cada consumidor deve solicitar a entrada no programa), mas casos reais mostram que a adesão pode ficar próxima de 1%, caso não haja incentivos para superar essa lacuna. Além disso, o informe técnico também analisa, com maior profundidade, a adesão a programas de tarifas dinâmicas nos EUA com base nos dados da Energy Information Administration (EIA), e expõe alguns impactos da utilização das tarifas dinâmicas no sistema elétrico e os benefícios transversais que o acompanham.

EPE

Link de acesso:

https://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-671/EPE-IT-001-%20RD%20Internacional.pdf