O artigo destaca o grande potencial do Brasil diante de processos de destinação de resíduos para o waste-to-energy na forma de Combustível Derivado de Resíduos (CDR). Desde o início da atividade no Brasil, a totalidade de resíduos coprocessados, até 2021, substituiu mais de 11 milhões de toneladas de pet coque, bem como preservou mais de 5,5 milhões de toneladas de recursos minerais, evitando emissões de mais de 20 milhões de teq de CO2. Além do tratamento de pneus inservíveis e resíduos de biomassa, resíduos comerciais e urbanos, o país também tem plantas de preparo de CDR a partir de resíduos industriais em praticamente todos os estados onde há fornos de produção de clínquer. Destaca-se também que o parque cimenteiro nacional tem a maioria de suas fábricas licenciadas e preparadas para coprocessar CDR. A ABREN prevê que, nas próximas décadas, o país ampliará sua capacidade de produção de CDR para atender às demandas não somente da indústria cimenteira, mas também de processos, como a geração de energia elétrica e vapor. Para isso, dezenas de novas plantas de produção de CDR terão que ser instaladas, com investimento previsto em mais de R$ 20 bilhões.

CanalEnergia – Francisco J. P. Leme (Diretor Executivo da W4Resources), Francisco Chaves Jr (sócio da EcoEnergética). 

Link de acesso:

https://www.canalenergia.com.br/artigos/53223256/combustivel-derivado-de-residuos-cdr-tem-enorme-potencial-energetico-no-brasil

 

Artigos relacionados:

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/o-valor-cada-vez-maior-dos-residuos/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/separando-o-joio-do-trigo-ou-a-cana-dos-graos/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/residuos-solidos-urbanos-uma-oportunidade-sustentavel-para-geracao-de-energia/