A reportagem especial discute a revisão do valor das garantias físicas das usinas hidrelétricas do SIN, destacando a perspectiva de que tal medida seja realizada em 2023 e, como resultado, haja uma diminuição de 1232 MW médios da capacidade de geração oficial. A reportagem também aponta que, embora necessária, a revisão das garantias físicas, por si só, não levará à resolução de todos os problemas do sistema de comercialização. Com efeito, existem outras questões muito importantes que devem merecer atenção. Essas questões dizem respeito não só à escolha do período crítico a ser considerado no modelo de despacho, mas também ao próprio papel que as hidrelétricas podem assumir no sistema de agora em diante. Acerca desse novo papel, vale lembrar que a matriz elétrica mudou significativamente nos últimos 20 anos e que a nova variedade de fontes renováveis torna mais importante o atributo que as hidráulicas têm de armazenar grande quantidade de energia primária para todo o sistema.   Para debater essas questões, são trazidos os pontos de vista de diversos agentes e especialistas do setor elétrico: Roberto Brandão (Gesel-UFRJ), José Marangon (MC&E), João Carlos Mello (Thymos Energia), Mariana Amim (Anace) 

CanalEnergia – Maurício Godoi (repórter da Agência CanalEnergia)

Link de acesso:

https://canalenergia.com.br/especiais/53226663/uhe-revisar-garantia-fisica-e-so-o-inicio

 

Artigos relacionados:

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/a-seca-de-2020-21-e-o-calculo-das-garantias-fisicas/  

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/energy-report-calculo-de-garantia-fisica-the-good-the-bad-and-the-ugly/