A S&P Global Sustainable1 apresenta suas cinco principais conclusões sobre o progresso feito na COP 26 e o que ainda precisa ser trabalhado. Cada comentário é seguido de links que levam o leitor a artigos mais completos sobre as temáticas. Nesse mesmo estilo, já divulgamos no Panorama uma reportagem especial do jornalista Jamil Chade, intitulada O planeta segue em risco, abordando, também, as implicações para o Brasil. A S&P aborda, em primeiro lugar, que, apesar do comprometimento de instituições financeiras a enfrentar a mudança climática, o desafio é fazer com que esse dinheiro chegue ao lugar certo. Nesse caso, o artigo indicado para aprofundamento do debate, também já divulgado pelo Panorama na edição passada, enfatiza o papel que as parcerias público-privadas poderiam ter no escalonamento e direcionamento do financiamento sustentável. No segundo tópico, discute-se a regulamentação do Artigo 6 do Acordo de Paris, que regerá os mercados de carbono. O terceiro tópico aborda os investimentos e acordos feitos para eliminar o desmatamento. A quarta conclusão é que os compromissos climáticos precisam de mais responsabilidade, sendo necessárias metas mais ambiciosas, com prazos, políticas e programas específicos. Por fim, comenta-se sobre a intensidade de carbono dos edifícios, que apesar de ser um assunto fundamental, não teve grande atenção na COP.

S&P Global

Link de acesso:

https://www.spglobal.com/esg/insights/cop26-5-key-takeaways-from-sp-global-sustainable1