Esse documento é publicado anualmente pela EPE e apresenta os fatos mais relevantes do mercado de biocombustíveis que ocorreram no ano anterior à sua divulgação. Em 2021, o setor sucroalcooleiro foi marcado por geadas e um expressivo déficit hídrico, o que resultou nos piores indicadores dos últimos dez anos. A produção de etanol decresceu 8,4% em relação a 2020, atingindo 29,9 bilhões de litros. Nesse contexto, o preço médio do etanol hidratado aumentou 28,6% comparado com o ano anterior, enquanto a gasolina C subiu 24,6%, resultando em um preço praticamente indiferente para a preferência ao biocombustível pelos consumidores. No setor de biodiesel, o percentual de adição obrigatória à mistura variou de 10% em volume (B10) a 13% (B13) em diferentes períodos do ano, em função de diversos fatores. Em relação à Política Nacional dos Biocombustíveis (RenovaBio), em 2021 ocorreu o primeiro ciclo completo de operacionalização do CBIO em mercado organizado. O documento traz ainda uma análise do mercado de fertilizantes e o desenvolvimento de iniciativas para este setor, mostrando a importância estratégica deste insumo.

Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Link de acesso:

https://www.epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/analise-de-conjuntura-dos-biocombustiveis-2021

 

Artigos relacionados

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/analise-de-conjuntura-dos-biocombustiveis-ano-2020/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/separando-o-joio-do-trigo-ou-a-cana-dos-graos/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/renovabio-e-descarbonizacao-podem-trilhar-novas-alternativas/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/mapa-interativo-dos-mandatos-de-teor-de-biocombustiveis-liquidos-do-setor-de-transportes-no-mundo/