O artigo Universities must reject fossil fuel cash for climate research, say academics repercute a carta aberta escrita por 500 acadêmicos dos EUA e Reino Unido dirigida a todos os líderes universitários nos dois países, convidando-os a rejeitar todo o financiamento para pesquisas climáticas advindo de empresas de combustíveis fósseis. A carta afirma que aceitar dinheiro de empresas de combustíveis fósseis representa um inerente conflito de interesses e poderia comprometer a liberdade acadêmica, sendo ainda uma chance de as empresas praticarem greenwashing e distorcerem resultados de pesquisas de forma favorável a elas. A reportagem explicita também opiniões divergentes  a respeito do tema. Michael Mann, da Pennsylvania State University, afirma que, muitas vezes, essas empresas financiam pesquisas que podem ser traduzidas em defesa de soluções falsas às mudanças climáticas. Bob Ward da London School of Economics, por sua vez, sustenta ser razoável que as universidades aceitem financiamento de empresas de combustível fósseis se essas empresas mostrarem um compromisso genuíno em se transformar. Nesse contexto, vale destacar ainda que trouxemos no Panorama, no segundo período de fevereiro de 2022, o artigo de Damian Carrigton, também publicado no The Guardian, que repercute um estudo que concluiu que as ações de grandes empresas petrolíferas  não estão alinhadas com suas declarações de transição energética.

Link de acesso:

https://www.theguardian.com/science/2022/mar/21/universities-must-reject-fossil-fuel-cash-for-climate-research-say-academics