A pandemia da covid-19 retardou o progresso global rumo ao acesso universal à eletricidade, revertendo anos de progresso. De acordo com a IEA, o número de pessoas sem acesso à eletricidade aumentou 2% em 2021. Já o número de pessoas sem acesso à cocção limpa cresceu 1%, o que representa 30 milhões de pessoas entre 2019 e 2021. A África Subsaariana foi a região mais afetada. Com efeito, desde 2013 a região vivenciava um declínio constante no número de pessoas sem acesso à eletricidade devido a políticas de acesso aprimoradas em países como Quênia, Senegal, Ruanda e Gana. A pandemia reverteu esse progresso e atualmente quatro em cada cinco pessoas no mundo sem acesso à energia elétrica vivem na região. Alcançar o acesso total à eletricidade e cocção limpas até 2030 requer cerca de US$ 43 bilhões por ano – apenas cerca de 2% do investimento anual no setor de energia nos últimos cinco anos. Destaca-se que, para reavivar o progresso, é necessário apoio internacional para acelerar o investimento e superar as barreiras de financiamento, além de planos nacionais com metas mais claras e monitoradas.

IEA- Laura Cozzi, Gianluca Tonolo, Daniel Wetzel

Link de acesso:

https://www.iea.org/commentaries/the-pandemic-continues-to-slow-progress-towards-universal-energy-access