O professor Ronaldo Bicalho da UFRJ inicia seu texto caracterizando a privatização da Eletrobras como uma inflexão sem precedentes da bem-sucedida estratégia histórica de planejamento e organização do setor elétrico liderada pelo Estado brasileiro desde os anos 1930s. Aborda-se, inicialmente, o processo de desestatização do SEB iniciado nos anos 90 e como essa tentativa de transferir a responsabilidade da segurança de abastecimento para o setor privado gerou o maior desastre elétrico do país, o racionamento de 2001. Resgatando aquele contexto, o autor destaca o papel essencial da Eletrobras na superação daquela crise e afirma que a privatização da Eletrobras coloca o risco de uma nova crise energética no país.  Bicalho ainda ressalta que, diante da crise estrutural do sistema hidráulico brasileiro e do desafio da transição energética − maior transformação do setor elétrico mundial, portadora de incertezas, riscos e conflitos − a presença do Estado se mantém crucial, já que este ente seria o único capaz de reduzir as incertezas e gerir conflitos. Ao final, o autor adverte que a manutenção dessa política de privatização terá um final previsível: um setor elétrico fragmentado, desconectado, regionalizado, sem economias de escala, escopo e diversidade, com explosão de custos e tarifas e judicializado.

Blog Infopetro – Ronaldo Bicalho (Doutor pelo IE/UFRJ, Pesquisador do Grupo de Economia da Energia do IE/ UFRJ)

Link de acesso:

https://infopetro.wordpress.com/2021/05/31/privatizacao-da-eletrobras-a-crise-contratada/