O artigo discute a expansão da geração térmica no Brasil, sobretudo a gás natural. Na reportagem são entrevistados diversos agentes do setor, entre eles João Carlos Mello, presidente da consultoria Thymos, Xisto Vieira Filho, diretor-presidente da Abraget e representantes de empresas, que são favoráveis à geração térmica de suporte para trazer segurança, adequacidade, reserva controlável e resiliência ao sistema. Para Mello e Vieira Filho, as térmicas inflexíveis previstas na MP da Eletrobras também são importantes para receber o gás do pré-sal e alavancar sua produção. No artigo, também são apresentados casos de empresas que vêm se antecipando a essa tendência de mais fontes térmicas no sistema, como a Delta Geração e a Eneva. O autor, entretanto, faz um alerta: embora o setor elétrico brasileiro seja responsável por apenas 3% das emissões de gases de efeito estufa do país ele será cada vez mais demandado pela sociedade e governos ao redor do mundo para que o aumento da oferta de energia ocorra desvinculado do aumento de emissões de GEE. O artigo também traz a opinião do presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Bucuhy, que, ao citar o novo relatório do IPCC (divulgado pelo Panorama como Artigo Especial), afirma que não deveria haver mais a possibilidade de se inserir geração poluidora no sistema elétrico. 

Canal Energia – Robson Rodrigues (da Agência Canal Energia de SP)

Link de acesso:

https://canalenergia.com.br/especiais/53183698/o-futuro-das-termeletricas-no-pais-das-energias-renovaveis