O artigo debate o cenário brasileiro tendo como referência as estratégias da Alemanha para o Hidrogênio Verde. Os autores apontam inicialmente os vetores centrais que irão garantir a competitividade nacional na produção nacional de H2V. A seguir, mostram o papel da Alemanha como líder no desenvolvimento tecnológico da cadeia produtiva do hidrogênio e seus objetivos de criação de novas cadeias de valor e a grande oportunidade que isso representa para o Brasil através da cooperação internacional. Os autores mostram ainda que, com intuito de criar as bases do mercado de hidrogênio verde, a Alemanha constituiu o fundo de investimento H2Global, com uma dotação de € 2 bilhões, para suportar e financiar dois leilões complementares (Double auction model).

Nivalde de Castro, Vitor Santos, Thereza Aquino (pesquisadores do GESEL)

Link de acesso:

http://www.gesel.ie.ufrj.br/app/webroot/files/publications/23_Castro301.pdf