Este excelente artigo discute os aumentos nos preços do petróleo nos últimos meses e as perspectivas de piora desse cenário. O autor demonstra apreensão e temores com uma redução ainda maior na oferta de petróleo devido às sanções à Rússia e ao caminho, cada vez mais difícil, que esse petróleo tem se deparado para chegar ao mercado. Ao longo do artigo são discutidos fatores agravantes e esforços para atenuar a crise – sem resultado até o momento. Ao final, o autor soma à conjuntura de redução da oferta um aumento da demanda de combustíveis fósseis desencadeado pela retomada econômica a nível mundial, afirmando que esses fatores levarão a um aumento dos preços de petróleo até um nível que irá reduzir o consumo, provavelmente desencadeando uma desaceleração econômica grande o suficiente para reduzir a demanda. O autor evidencia previsões de US$ 140/barril para o terceiro trimestre e de US$ 175 até o final de 2022 e afirma que a crise energética ainda irá piorar bastante com graves ramificações para a economia mundial, já abalada pela inflação e recessão em muitas economias.

Valor Econômico – David Sheppard (editor de energia do Financial Times)

Link de acesso:

https://valor.globo.com/opiniao/coluna/novos-aumentos-do-petroleo-a-vista.ghtml