Como a maior fonte renovável de eletricidade, a energia hidrelétrica representa uma alternativa aos combustíveis fósseis para alcançar um futuro de baixo carbono. No entanto, evidências crescentes sugerem que os reservatórios hidrelétricos são uma importante fonte de gases de efeito estufa (GEEs) biogênicos, embora com grandes incertezas. Combinando avaliações de fluxos de GEE especialmente tratados e bancos de dados de capacidade hidrelétrica, avaliou-se que as emissões globais de GEE dos reservatórios são de 0,38 Pg CO2 eq.ano−1, representando 1,0% das emissões antrópicas globais. A intensidade média de carbono para energia hidrelétrica é de ~63,0 kg CO2eq. MWh−1, que é inferior ao dos combustíveis fósseis, mas superior ao de outras fontes de energia renovável. A alta intensidade de carbono está principalmente ligada a reservatórios rasos (profundidade de armazenamento de água <20 m) e eutróficos. Além disso, descobrimos que o valor da intensidade de carbono do reservatório (CI) aumentaria acentuadamente para 131,5 kg CO2eq. MWh−1 ao considerar as barragens em construção e planejamento. Um futuro de baixo carbono se beneficiará de medidas de planejamento e gerenciamento de barragens ideais, ou seja, aplicando tratamentos de remoção de lodo, reduzindo assim a proporção de reservatórios rasos e poluição antropogênica.

Renewable and Sustainable Energy Reviews, Vol. 162

Mingxu Li e Nianpeng He

Link de acesso:

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1364032122003392