Nesse artigo, Edmar de Almeida apresenta a hipótese de que podemos estar vivenciando o início do Choque do Gás, num movimento similar ao dos dois Choques do Petróleo ocorridos nos anos 70 do século passado. Para o autor, a crise atual no mercado mundial de gás tem algumas características similares às que geraram aqueles choques. Inicialmente, ele aponta os fatores que vêm gerando os aumentos expressivos dos preços do gás natural e do GNL na Europa e nos EUA. Em seguida, destaca duas questões estruturais que podem tornar esta elevação um fenômeno mais duradouro, configurando um Choque do Gás, com efeitos significativos para a economia mundial. O primeiro fator seria a mudança na geopolítica mundial da energia. Por um lado, a busca pela redução da dependência da Europa em relação ao gás Russo implicará crescente demanda de GNL, pressionando a demanda neste mercado por anos. Por outro lado, o redirecionamento das exportações de gás russo via gasodutos da Europa para a Ásia exigirá grandes investimentos em projetos de gasodutos internacionais que levarão tempo para serem concretizados. O segundo fator que potencializa o impacto da questão geopolítica nos preços é a transição energética. Devido à prioridade da redução do consumo do carvão, o gás natural será cada vez mais demandado nos próximos anos. Neste contexto de elevação da demanda de gás, os preços do gás dependerão da capacidade da oferta acompanhar o crescimento da demanda. E é justamente a limitada capacidade de resposta da oferta que preocupa o autor.

Ensaio Energético – Edmar de Almeida (professor do Instituto de Economia da UFRJ, pesquisador do Instituto de Energia (IEPUC), membro do Grupo de Energia e Regulação (GENER/UFF)

Link de acesso:

https://ensaioenergetico.com.br/estamos-vivendo-o-choque-do-gas/