O artigo aponta que a alta demanda energética renovável para produção de hidrogênio verde cria um cenário favorável para o desenvolvimento das eólicas offshore.  Com efeito, o autor destaca a necessidade de contemplar as duas tecnologias simultaneamente dada a enorme sinergia que existe entre elas e afirma que muitos dos projetos de hidrogênio verde anunciados no mundo têm em sua concepção a sinergia entre eólicas offshore e unidades de eletrólise. Na sequência, o  artigo expõe diversas experiências, tanto internacionais quanto as nacionais, trazendo exemplos de projetos como o NortH2, da holandesa Shell, da norueguesa Equinor e da concessionária alemã de energia RWE, o AquaVentus, um consórcio de 47 empresas e institutos de pesquisa, entre outros que contemplam atender demandas industriais localizadas. Também são discutidos projetos em elaboração no Brasil, como o projeto do Porto do Açu (da Fortescue), o Complexo Eólico Marítimo Dragão do Mar (da Qair) e outros projetos no Complexo de Pecém (das australianas Enegix e Fortescue e da americana White Martins). O artigo traz vários hiperlinks onde o leitor pode obter reportagens e informações adicionais sobre esses projetos.

Link de acesso: 

https://editorabrasilenergia.com.br/eolica-offshore-e-h2v-tudo-a-ver/