O artigo Low-carbon aviation fuels are on the horizon. But for now, activists say we need to stay grounded apresenta o cenário de realizações e promessas das companhias aéreas para descarbonizar a indústria e o potencial do combustível feito de resíduos e ‘e-combustíveis’ sintéticos para reduzir as emissões. Destaca-se que ampliar as ações direcionadas a aumentar a escala desses combustíveis representa um imenso desafio. Com efeito, um teste feito pela British Airways utilizando Combustível de Aviação Sustentável (SAF) e motores mais eficientes mostrou uma redução das emissões de carbono de 62% em comparação com uma viagem semelhante em 2010. A companhia considerou a viagem como “neutra em carbono”, mas isso ocorreu apenas porque houve compra de créditos de carbono para compensar os 38% restantes das emissões. Ao demonstrar o avanço verificado até o momento e o que ainda falta avançar, o artigo destaca que a indústria aérea tem demorado a se descarbonizar, e isso em grande parte porque os combustíveis fósseis continuam a ser, de longe, a forma mais barata e fácil de abastecer aviões. A redução do impacto do carbono na aviação exigirá, enfim, mudanças mais radicais em toda a cadeia industrial e esforços mais agressivos. De acordo com analistas, por enquanto, voar menos ainda é a maneira mais eficaz de se reduzir as emissões da aviação.

The Guardian – Dyllan Furness

Link de acesso:

https://www.theguardian.com/environment/2021/nov/11/low-carbon-aviation-fuels-activists-stay-grounded