Essa é a primeira parte do Sexto Relatório de Avaliação (AR6) do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), uma importantíssima publicação que dá continuidade aos ciclos do Assessment Report, que vêm sendo produzidos desde 1988. O relatório traz o estado da arte do conhecimento sobre ciência climática. A sua primeira minuta recebeu 23.462 comentários de revisão de 750 revisores especialistas, a segunda recebeu 51.387 comentários de revisão de governos e 1.279 especialistas e o Resumo para Formuladores de Políticas teve mais de 3.000 comentários de 47 governos. Mais de 14.000 artigos científicos são referenciados no relatório. O relatório final foi concluído e aprovado por 234 autores e 195 governos. A liberação do trabalho ao público acontece após uma sessão plenária de duas semanas, onde o relatório foi examinado minuciosamente pelos representantes dos governos em diálogo com os autores. Em suma, é o documento mais importante sobre mudanças climáticas desde o relatório AR5 do mesmo IPCC, lançado em 2014.  O trabalho examina a base física das mudanças climáticas passadas, presentes e futuras. Ele analisa sobretudo como as emissões causadas pelo homem estão levando a mudanças drásticas e de difícil reversão no sistema climático planetário. Ele também nos mostra como esses impactos podem piorar muito se as temperaturas e emissões continuarem a aumentar sem controle como visto até aqui. Dentre as principais conclusões do estudo, destacam-se as seguintes: i- o já preocupante cenário de aquecimento global de 1,5°C a 2°C será excedido durante o século 21 a menos que reduções profundas de emissões de gases de efeito estufa ocorram nas próximas décadas, ii- em função do maior aquecimento, haverá aumentos na frequência e na intensidade de eventos extremos como ondas de calor, fortes precipitações, secas, ciclones tropicais intensos, reduções no gelo do mar Ártico e cobertura natural de neve, iii- muitas mudanças climáticas serão irreversíveis por séculos a milênios, especialmente mudanças no oceano e no nível global do mar, iv- o  mundo natural já atingiu um nível avançado de deterioração em função da ação do homem e, sendo assim, os ecossistemas terão uma capacidade reduzida para nos auxiliar a reverter os estragos já feitos e resolver o desafio climático, e, v- os tomadores de decisão precisam implementar planos muito mais ousados para atingir emissões líquidas zero o quanto antes e ao menos frear a atual tendência de aquecimento.. Para navegar pelas essas informações, o IPCC lançou também o Atlas Interativo, que facilita a exploração de dados globais e regionais e de simulações. 

Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC

Link de acesso: https://www.ipcc.ch/report/sixth-assessment-report-working-group-i/