Se uma infraestrutura adicional de gás natural é necessária ou prejudicial para alcançar as metas de proteção climática é algo altamente controverso atualmente. O artigo combina cinco perspectivas para argumentar por que a expansão da infraestrutura de gás natural impede um futuro de energia renovável e não é uma tecnologia de ponte. Destaca-se que o gás natural é um combustível fóssil com impacto climático significativamente subestimado que dificulta a descarbonização por meio do “lock-in” de carbono e dos ativos ociosos. O artigo também propõe cinco maneiras de evitar falhas comuns desse tipo em países que estão desenvolvendo estratégias para redução de gases de efeito estufa: gerenciar as emissões de metano de toda a cadeia de valor do gás natural, revisar premissas de análises de cenários para incluir novos insights na pesquisa sobre emissões de gases de efeito estufa relacionadas ao gás natural, substituir o narrativa de ‘ponte’ com critérios inequívocos de descarbonização, evitar “lock-ins” adicionais de gás natural e vazamento de metano, e levar a sério os riscos relacionados ao clima no planejamento de infraestrutura de energia.

Nature Energy, Vol. 7, nº 6
Claudia Kemfert, Fabian Präger, Isabell Braunger, Franziska M. Hoffart & Hanna Brauers

Link de acesso:

https://www.nature.com/articles/s41560-022-01060-3