Em meio ao importante debate acerca do aumento dos preços dos combustíveis fósseis e as possíveis políticas de reação à crise de combustíveis agravada pelo conflito Ucrânia-Rússia, este excelente artigo discute qual o papel da Petrobras para o Estado brasileiro. Segundo Inglo Plöger, a falta de entendimento sobre o significado de uma empresa estatal de economia mista é o nascedouro da confusão nos debates atuais sobre o que, de fato, é a Petrobras. Para ele, sendo a Petrobras uma empresa da capital misto, fica evidente que o Estado não desistiu de definir o domínio de seu destino, mantendo o espírito da formação da empresa estatal, descrita na Constituição de 1988. O autor afirma também que, ao seguir a diretiva constitucional, a Petrobras não pode ser considerada como uma empresa qualquer do mercado de capitais, somente voltada a gerar resultados financeiros, sem considerar sua função estratégica e social. Por fim, o autor comenta a sistemática de formação de preços atual da Petrobras e a falta de políticas públicas para o combustível exercer sua função social e estratégica para o país.

Link de acesso:

https://valor.globo.com/opiniao/coluna/a-constituicao-e-o-proposito-da-petrobras.ghtml