O declínio da intensidade de carbono (CO2/PIB) nas últimas décadas observado em países ao redor do mundo está bem estabelecido, mas argumenta-se que esse declínio não levou à redução das emissões globais de CO2 porque seu efeito foi compensado pelo crescimento do PIB. Este trabalho quantifica a redução das emissões de CO2 no período 2000-2018 em 14 países e na União Europeia (UE) devido à eficácia das mudanças na intensidade de carbono. Nos Estados Unidos, Japão e União Europeia, eles levaram a um forte declínio das emissões de CO2 e em outros países a reduções de 10 a 40%. No Irã e na Arábia Saudita, as emissões aumentaram.

Energy Policy, Vol. 171 – José Goldemberg

Link de acesso:

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0301421522004773

 

Artigos relacionados:

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/o-monitor-de-acao-climatica-2022/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/adiar-so-amplia-urgencia-da-acao-climatica/