Nesta reportagem especial, foram convidados especialistas do setor energético para discutir a baixa contratação no leilão A-4, realizado no final de maio de 2022, e as perspectivas da contratação de energia no mercado regulado para os próximos anos. O resultado do A-4 com a contratação de 237,5 MW médios aponta para uma sobrecontratação da chamada ‘distribuidora Brasil’ em um nível médio de 107,7% em 2022. Outros fatores destacados para explicar esse baixo volume seria o momento da economia, o avanço da geração distribuída e as perspectivas para a abertura do mercado livre com o avanço do PL 414. De modo geral, os especialistas destacam que a abertura de mercado é um ponto importante que as distribuidoras devem considerar em sua projeção de demanda futura. Sobre os leilões no futuro, há os que acreditam que, apesar de ver uma redução no volume, ainda é cedo para dizer que os leilões de energia nova não terão mais espaço no setor. Outros são mais incisivos ao dizer que esses leilões não são mais necessários no Brasil e que a tendência de futuro é de abertura de mercado, sendo o modelo ideal deixar o consumidor dar o drive da expansão.

Os especialistas convidados foram: Edvaldo Santana (ex-diretor da ANEEL e atual diretor da NEAL), Alexandre Viana (diretor da Thymos Energia), Rosana Santos (Pesquisadora da FGV Ceri), Urias Martiniano Neto, (sócio Tomanik Martiniano Sociedade de Advogados), Ricardo Brandão (diretor da Abradee) e, Rodrigo Ferreira (presidente da Abraceel).

CanalEnergia – Maurício Godoi (repórter do CanalEnergia)

Link de acesso:

https://canalenergia.com.br/especiais/53213840/leiloes-ha-futuro-a-vista