Esse artigo apresenta uma grave denúncia sobre o desenvolvimento dos parques eólicos no Rio Grande do Norte, mais especificamente na região de Seridó, sertão potiguar, onde vivem mais de 310 mil pessoas e onde existe um tesouro da biodiversidade e história natural do Brasil. A reportagem evidencia a degradação ambiental da região formada por serras que abrigam dezenas de sítios arqueológicos, nascentes de rios e santuários ecológicos em plena caatinga. Inicialmente, é apresentada a realidade dos moradores do vilarejo de Recanto, distrito de Cerro Corá, cujas casas e vivências foram impactadas pela instalação do complexo eólico Santa Rosa Mundo Novo, do grupo empresarial português EDP Renewable, há um quilômetro do povoado. Em seguida, é destacada a relevância das áreas de serra para o equilíbrio ambiental e para a economia da região. Ressalta-se que, apesar da região do Seridó ter sido homologada como Geoparque pela Unesco em abril de 2022 (o que garantiria a realização de ações de proteção ambiental e preservação das características geográficas), isso não foi suficiente para frear o desmatamento causado pela instalação das eólicas. Revela-se ainda que um dos grandes problemas é que, devido à instalação dos empreendimentos gerar energia limpa, a grande maioria das empresas são habilitadas a apresentar o Relatório Ambiental Simplificado (RAS), e isso resulta em danos ambientais irreversíveis. Nesse contexto, é dada ênfase ao movimento Seridó Vivo, criado para tentar preservar as características naturais que fazem do lugar um paraíso cultural e natural.

Marco Zero – Giovanna Carneiro

Link de acesso:

https://marcozero.org/geracao-de-energia-eolica-ameaca-sitios-arqueologicos-e-santuarios-ecologicos-no-serido/

 

Artigos relacionados:

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/avaliacao-comparativa-do-impacto-ambiental-do-ciclo-de-vida-de-sistemas-de-geracao-de-eletricidade-renovavel-uma-abordagem-pratica-para-a-europa-america-do-norte-e-oceania/

https://panorama.memoriadaeletricidade.com.br/avaliacao-de-impacto-ambiental-para-o-descomissionamento-de-parques-eolicos-offshore/