Para o período de referência selecionamos 5 publicações das consultorias S&P Global, EY e PwC. Dentre essas, recomendamos em especial um artigo da S&P Global e um da EY, que escolhemos como destaques desta categoria.

O primeiro artigo intitula-se O aumento dos custos da bateria levará as montadoras a explorar conexões nas cadeias de suprimento (tradução). A publicação é mais uma que analisa os impactos da alta recente dos preços de vários insumos críticos nas cadeias associadas à transição energética. No caso específico deste artigo, o que se discute são as perspectivas para os preços das baterias nos próximos anos e seus impactos no setor automotivo. Primeiramente, o artigo evidencia a expressiva elevação dos preços das matérias primas, como lítio, cobalto e níquel para apontar a mudança estratégica que esta alta de preços pode desencadear no setor de veículos elétricos. Em seguida, o artigo apresenta a previsão de penetração dos veículos elétricos a nível global e as expectativas para os fabricantes de baterias, destacando os três principais players do segmento. Por fim, aborda-se o avanço tecnológico recente na área das baterias.

A segunda publicação é RECAI 59 – A necessidade de segurança energética desafia a busca pelo net zero? (tradução livre). Esta é uma publicação regular da EY que divulga um índice produzido desde 2003 para ranquear os 40 principais mercados do mundo quanto à atratividade de seus investimentos em energia renovável e oportunidades de implantação. Além da divulgação do índice, nesta edição é explorada a expansão das energias renováveis e dos combustíveis alternativos a partir da perspectiva da segurança energética, que, como já destacamos aqui, é um tema que vem ganhando importância no contexto pós-pandemia, onde a rápida expansão da demanda por combustíveis fósseis e insumos críticos, aliada ao surgimento de gargalos de oferta e um novo cenário geopolítico, parecem colocar em risco a segurança energética de muitos países. Nota-se, porém, que a posição da EY sobre a conciliação entre transição energética e segurança de suprimento no cenário atual ainda é relativamente otimista. Com efeito, a consultoria acredita que os altos preços dos combustíveis fósseis irão levar à busca por diversificação das matrizes energéticas, o que tende a favorecer os mercados de energias renováveis. Nesse cenário, a EY aponta que a América Latina será um grande mercado de energia verde se conseguir superar as barreiras ao crescimento e que a geração flutuante (turbinas e painéis solares), bem como o hidrogênio verde, podem desempenhar um papel cada vez maior na expansão das energias renováveis.