O paradoxo da política de energia renovável expõe que a combinação de mercados liberalizados com baixo custo marginal e tecnologias intermitentes tende a reduzir os preços da eletricidade e, consequentemente, a rentabilidade dos novos investimentos em energia eólica e solar, tornando as políticas de incentivo aos preços menos eficazes ou mais caras. A maioria dos modelos de simulação, no entanto, não é adequada para avaliar a viabilidade de metas de médio e longo prazo sob as políticas de preços já em vigor. Para preencher essa lacuna, este estudo aplica um novo modelo de macrossimulação dinâmica top-down-bottom-up híbrido à economia italiana (2015-2040). Para incorporar a incerteza sobre os custos futuros de tecnologias de geração e armazenamento, preços de combustíveis fósseis, elasticidades de demanda, desempenho macroeconômico e incentivos de preços, os autores contam com a análise de modelos exploratórios para construir cenários de três clusters com 1.000 simulações diferentes. Os resultados sugerem uma tendência de queda dos preços da eletricidade em contraste com as últimas projeções oficiais. Assim, a expansão das energias renováveis desacelera e nenhuma das 1.000 simulações atinge a meta de 55% de energia renovável no fornecimento de eletricidade em 2030. Apesar da ineficácia da política de subsídio de preços nos primeiros dez anos (2021-2030), ainda é crucial alcançar uma penetração muito alta de fontes variáveis de energia renovável até 2040.

Link de acesso:

https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032121001325